Monthly Archives: October 2013

[TED] Simon Sinek: How great leaders inspire action

Bela palestra do Simon Sinek sobre liderança e inspiração.

Simon inicia mostrando o diferencial entre uma empresa que inspira e outra que não. Não é o “o que” ela vende, nem o “como” ela vende, mas o “porque” ela o faz. A motivação está no que a move a fazer o que ela faz…

Isso se explica, de acordo com Simon, devido a nossa Biologia, pois nosso cérebro funciona dessa forma. Na prática ele mostra que isso é verdade de uma forma bem simples:

A curva de adoção de uma tecnologia ou produto possui um estágio inicial, cerca de 2,5% das pessoas que são inovadoras, por isso adotam o produto; logo em seguida surgem os early adopters (cerca de 15% das pessoas) e a partir daí um grupo de 34%, outro de 34% e os demais…

O grande ponto é que, para que a grande massa da população adote o seu produto é necessário que ele já tenha passado pelos estágios iniciais (2,5% + 15%), porém essas pessoas não compram o produto pelo que ele faz, nem como faz, mas o fazem pois se identificam com o motivo pelo qual a empresa o faz…

…Assim é a liderança… vc inspira e mostra o motivo e as pessoas o seguem pois elas acreditam no que você acredita, não no que você as oferece…

Leave a comment

October 24, 2013 · 10:51 pm

[Info] Why Generation Y Yuppies Are Unhappy? (by waitbutwhy.com)

Why Generation Y Yuppies Are Unhappy
Posted: 09/15/2013 12:05 pm
Say hi to Lucy.
Lucy is part of Generation Y, the generation born between the late 1970s and the mid 1990s. She’s also part of a yuppie culture that makes up a large portion of Gen Y.
I have a term for yuppies in the Gen Y age group — I call them Gen Y Protagonists & Special Yuppies, or GYPSYs. A GYPSY is a unique brand of yuppie, one who thinks they are the main character of a very special story.
So Lucy’s enjoying her GYPSY life, and she’s very pleased to be Lucy. Only issue is this one thing:
Lucy’s kind of unhappy.
To get to the bottom of why, we need to define what makes someone happy or unhappy in the first place. It comes down to a simple formula:

It’s pretty straightforward — when the reality of someone’s life is better than they had expected, they’re happy. When reality turns out to be worse than the expectations, they’re unhappy.
To provide some context, let’s start by bringing Lucy’s parents into the discussion:
Lucy’s parents were born in the ’50s — they’re Baby Boomers. They were raised by Lucy’s grandparents, members of the G.I. Generation, or “the Greatest Generation,” who grew up during the Great Depression and fought in World War II, and were most definitely not GYPSYs.

Lucy’s Depression Era grandparents were obsessed with economic security and raised her parents to build practical, secure careers. They wanted her parents’ careers to have greener grass than their own, and Lucy’s parents were brought up to envision a prosperous and stable career for themselves. Something like this:
They were taught that there was nothing stopping them from getting to that lush, green lawn of a career, but that they’d need to put in years of hard work to make it happen.
After graduating from being insufferable hippies, Lucy’s parents embarked on their careers. As the ’70s, ’80s, and ’90s rolled along, the world entered a time of unprecedented economic prosperity. Lucy’s parents did even better than they expected to. This left them feeling gratified and optimistic.

With a smoother, more positive life experience than that of their own parents, Lucy’s parents raised Lucy with a sense of optimism and unbounded possibility. And they weren’t alone. Baby Boomers all around the country and world told their Gen Y kids that they could be whatever they wanted to be, instilling the special protagonist identity deep within their psyches.
This left GYPSYs feeling tremendously hopeful about their careers, to the point where their parents’ goals of a green lawn of secure prosperity didn’t really do it for them. A GYPSY-worthy lawn has flowers.
This leads to our first fact about GYPSYs:
GYPSYs Are Wildly Ambitious
The GYPSY needs a lot more from a career than a nice green lawn of prosperity and security. The fact is, a green lawn isn’t quite exceptional or unique enough for a GYPSY. Where the Baby Boomers wanted to live The American Dream, GYPSYs want to live Their Own Personal Dream.
Cal Newport points out that “follow your passion” is a catchphrase that has only gotten going in the last 20 years, according to Google’s Ngram viewer, a tool that shows how prominently a given phrase appears in English print over any period of time. The same Ngram viewer shows that the phrase “a secure career” has gone out of style, just as the phrase “a fulfilling career” has gotten hot.
 

To be clear, GYPSYs want economic prosperity just like their parents did — they just also want to be fulfilled by their career in a way their parents didn’t think about as much.
But something else is happening too. While the career goals of Gen Y as a whole have become much more particular and ambitious, Lucy has been given a second message throughout her childhood as well:

This would probably be a good time to bring in our second fact about GYPSYs:
GYPSYs Are Delusional
“Sure,” Lucy has been taught, “everyone will go and get themselves some fulfilling career, but I am unusually wonderful and as such, my career and life path will stand out amongst the crowd.” So on top of the generation as a whole having the bold goal of a flowery career lawn, each individual GYPSY thinks that he or she is destined for something even better —
A shiny unicorn on top of the flowery lawn. 


So why is this delusional? Because this is what all GYPSYs think, which defies the definition of special:

spe-cial | ‘speSHel |
adjective
better, greater, or otherwise different from what is usual.
According to this definition, most people are not special — otherwise “special” wouldn’t mean anything.
Even right now, the GYPSYs reading this are thinking, “Good point… but I actually am one of the few special ones” — and this is the problem.
A second GYPSY delusion comes into play once the GYPSY enters the job market. While Lucy’s parents’ expectation was that many years of hard work would eventually lead to a great career, Lucy considers a great career an obvious given for someone as exceptional as she, and for her it’s just a matter of time and choosing which way to go. Her pre-workforce expectations look something like this:

Unfortunately, the funny thing about the world is that it turns out to not be that easy of a place, and the weird thing about careers is that they’re actually quite hard. Great careers take years of blood, sweat and tears to build — even the ones with no flowers or unicorns on them — and even the most successful people are rarely doing anything that great in their early or mid-20s.
But GYPSYs aren’t about to just accept that.
Paul Harvey, a University of New Hampshire professor and GYPSY expert, has researched this, finding that Gen Y has “unrealistic expectations and a strong resistance toward accepting negative feedback,” and “an inflated view of oneself.” He says that “a great source of frustration for people with a strong sense of entitlement is unmet expectations. They often feel entitled to a level of respect and rewards that aren’t in line with their actual ability and effort levels, and so they might not get the level of respect and rewards they are expecting.”
For those hiring members of Gen Y, Harvey suggests asking the interview question, “Do you feel you are generally superior to your coworkers/classmates/etc., and if so, why?” He says that “if the candidate answers yes to the first part but struggles with the ‘why,’ there may be an entitlement issue. This is because entitlement perceptions are often based on an unfounded sense of superiority and deservingness. They’ve been led to believe, perhaps through overzealous self-esteem building exercises in their youth, that they are somehow special but often lack any real justification for this belief.”
And since the real world has the nerve to consider merit a factor, a few years out of college Lucy finds herself here:
Lucy’s extreme ambition, coupled with the arrogance that comes along with being a bit deluded about one’s own self-worth, has left her with huge expectations for even the early years out of college. And her reality pales in comparison to those expectations, leaving her “reality – expectations” happy score coming out at a negative.
And it gets even worse. On top of all this, GYPSYs have an extra problem that applies to their whole generation:
GYPSYs Are Taunted
Sure, some people from Lucy’s parents’ high school or college classes ended up more successful than her parents did. And while they may have heard about some of it from time to time through the grapevine, for the most part they didn’t really know what was going on in too many other peoples’ careers.
Lucy, on the other hand, finds herself constantly taunted by a modern phenomenon:Facebook Image Crafting.
Social media creates a world for Lucy where A) what everyone else is doing is very out in the open, B) most people present an inflated version of their own existence, and C) the people who chime in the most about their careers are usually those whose careers (or relationships) are going the best, while struggling people tend not to broadcast their situation. This leaves Lucy feeling, incorrectly, like everyone else is doing really well, only adding to her misery:

So that’s why Lucy is unhappy, or at the least, feeling a bit frustrated and inadequate. In fact, she’s probably started off her career perfectly well, but to her, it feels very disappointing.
Here’s my advice for Lucy:
1) Stay wildly ambitious. The current world is bubbling with opportunity for an ambitious person to find flowery, fulfilling success. The specific direction may be unclear, but it’ll work itself out — just dive in somewhere.
2) Stop thinking that you’re special. The fact is, right now, you’re not special. You’re another completely inexperienced young person who doesn’t have all that much to offer yet. You can become special by working really hard for a long time.
3) Ignore everyone else. Other people’s grass seeming greener is no new concept, but in today’s image crafting world, other people’s grass looks like a glorious meadow. The truth is that everyone else is just as indecisive, self-doubting, and frustrated as you are, and if you just do your thing, you’ll never have any reason to envy others.
Visit Wait But Why: www.waitbutwhy.com
Wait But Why on Facebook: www.facebook.com/waitbutwhy

Leave a comment

Filed under Entertainment

[Info] Saia da Zona de Conforto

Em um post anterior sobre uma palestra de empreendedorismo da IE o professor falou que devemos sair da zona de conforto para crescermos como empreendedor.

Segue matéria que mostra como fazer isso escrito pelo consultor Sério Mena Barreto em seu recém-lançado livro TOP FIVE (EXAME):

QUATRO PASSOS PARA SAIR DA ZONA DE CONFORTO
 
“As pessoas estão sempre culpando suas circunstâncias pelo que elas são. Eu não acredito em circunstâncias. As pessoas que progridem nesse mundo são as que se levantam e procuram pelas circunstâncias que elas querem. E se não conseguem encontrá-las, as criam”. George Bernard Shaw, dramaturgo, romancista e jornalista irlandês, que viveu entre 1856 e 1950.
 
 A citação está em uma das primeiras páginas do livro Top Five – Cinco atitudes que podem mudar sua vida a alavancar sua carreira, de Sérgio Mena Barreto, ex-diretor de operações da rede varejista Pague Menos e atual diretor da consultoria de RH Mena Barreto & Associados. Ele também é autor de Zona de Coragem, de 2008.
 
No livro recém-lançado, como o título sugere, Barreto define cinco atitudes que, segundo ele, podem melhorar seu desempenho e satisfação com a carreira – e a vida, de modo geral. São elas: 1) assuma o controle; 2) gerencie a energia; 3) conecte-se com maestria; 4) faça acontecer; 5) reinvente-se sempre.
 
O plano de ação traçado pelo autor é composto por uma série de mudanças de pensamento e comportamento. Aqui, vamos começar pelo fim, destrinchando a última atitude da lista (reinvente-se sempre), que reúne os perturbadores conselhos para sair do piloto automático, fazer perguntas e experimentar situações novas.
 
1. Pense em três dimensões.
 
Segundo o autor, as ações de desenvolvimento profissional e crescimento pessoal devem estar sempre ancoradas em pelo menos três grandes dimensões maiores, que representam seu propósito de vida.
 
a) Suas aspirações: seus sonhos e desejos de realizações em curto, médio e longo prazo, inclusive metas financeiras e de patrimônio.
 
b) Sua ecologia: a composição de seus diversos papéis pessoais e profissionais e o equilíbrio que deve existir entre eles.
 
c) Seu bem-estar pessoal: a sensação de equilíbrio energético e de autorrealização.
Assim, qualquer iniciativa, como um novo curso, aprendizagem de metodologia ou mesmo guinadas profissionais, devem ser submetidas ao seu crivo pessoal. Pergunte-se sempre: isso que pretendo fazer está alinhado às minhas aspirações maiores? Respeita meu equilíbrio nos diversos papéis que exerço? Amplia minha sensação de bem-estar, proporcionando autorrealização e renovando energia?
Se sim, Barreto sugere que siga em frente. Se não, reveja suas decisões.
 
2. Crie sua equação desafiadora.
 
Tenha um objetivo claro e crie um plano de ação. Este objetivo deve ser ambicioso, um “sonho” tão poderoso que o inspire a realizar as ações cotidianas toda vez que lembrá-lo. Escreva-o em um papel e leia todos os dias para relacionar suas decisões triviais ao propósito maior. Se for algo muito complexo, que envolva várias etapas ou áreas diferentes, crie subtópicos para orientá-lo em direção a ele.
 
3. Mantenha uma agenda de desconforto.
Para fugir da sua zona de conforto – isto é, das repetições de padrões que não desenvolvem novas capacidades, apenas mantém sua vida sem surpresas –, coloque-se em situações desafiadoras diariamente.
 
Pode ser em momentos corriqueiros. Por exemplo, fazendo perguntas que expõem sua ignorância ao seu chefe, mas lhe garantem a oportunidade de esclarecer dúvidas. Ou ainda aceitar um desafio novo no trabalho. Do ponto de vista pessoal, pode ser pedir para um amigo lhe dizer quais são suas atitudes que mais o incomodam.
 
Convites para o desafio não faltam ao longo de um dia, de uma semana, de um mês. É só estar atento para não desviar, como é costume quando algo nos incomoda.
 
Barreto define a “zona de coragem” como desconfortável e instável. Segundo ele, ajuda a manter seu cérebro em boa forma, gerando novas sinapses e ampliando as capacidades.
 
4. Feche para balanço.
 
Pelo menos uma vez por ano, faça um balanço de sua própria vida. Leve em conta critérios objetivos de medida para saber se está se tornando quem gostaria de ser. Como se avaliasse um processo corporativo, responda a si mesmo com honestidade como andam seus resultados nos seguintes setores:
 
– Financeiro: aumentou seu patrimônio? Está ganhando mais dinheiro? Está fechando mais negócios?
– Desempenho: realizou mais? Entregou melhores resultados? Superou expectativas?
– Aprendizado: aprendeu coisas novas? Expandiu pontos fortes? Está sendo melhor avaliado sob o ponto de vista qualitativo.
 
De acordo com as respostas, crie novas metas para o ano seguinte, sempre conectadas ao objetivo principal.

1 Comment

Filed under Entertainment, Innovation

[Info] Como o Windows poderia ser gratuito, assim como o OS X

Texto de Felipe Ventura para a Gizmodo Brasil (24 de outubro de 2013)
 
Há pelo menos dez anos, só duas empresas cobram dos consumidores por seu sistema operacional: Microsoft e Apple. As alternativas baseadas em Linux – incluindo o Chrome OS, do Google – sempre foram gratuitas, assim como o FreeBSD.

No entanto, Microsoft e Apple vêm, pouco a pouco, oferecendo seus sistemas por menos. O preço do OS X caiu de US$ 30 para US$ 20 na versão Mountain Lion. O Windows 8 foi oferecido como atualização a um preço excepcionalmente baixo: R$ 69 (até R$ 29, dependendo do caso).

Este ano, os preços caíram ainda mais, e chegaram a zero. Esta semana, o OS X Mavericks se tornou um download gratuito. O Windows 8.1 também é, mas só para quem já tinha a versão 8.0; senão você precisa pagar R$ 410. Ou seja, a Microsoft agora é a única empresa que cobra pelo sistema operacional – mas isso poderia mudar.
(Obviamente, estamos falando aqui apenas sobre OS para consumidores. Para clientes corporativos, as opções pagas ainda são muitas: IBM z/OS, RedHat Enterprise, QNX Neutrino RTOS e outros dos quais talvez você nunca tenha ouvido falar.)
 
Grátis é fácil… para a Apple
 
Em se tratando de consumidores, a Apple sinalizou que não deve mais cobrar pelo sistema operacional. “Grátis é bom”, diz Craig Federighi, vice-presidente da Apple. Na keynote de lançamento, ele anunciou que esta é “uma nova era para os Macs”. A atualização é gratuita para todos os que rodam Snow Leopard (lançado em 2009), e o Mavericks funciona em qualquer Mac lançado a partir de 2007.

Como nota Austin Carr, da Fast Company, a Apple “colocou o preço do sistema operacional para desktop em linha com seu OS móvel”. Se você não paga para atualizar o iPhone, por que pagar para atualizar o Mac? E para a Apple, o benefício de manter seus produtos atualizados – seja um celular ou laptop – é semelhante. Além de aumentar a segurança, isso garante a compatibilidade de apps: desenvolvê-los apenas para o OS X/iOS mais recente não será problema.
 
Isso, no entanto, é um problema para a Microsoft. 77% dos usuários ainda estão no Windows 7 ou XP. O Windows 8 chegou a apenas 8% dos usuários. Os apps Metro só funcionam na versão mais recente do sistema. Para aumentar esse market share, a Microsoft poderia oferecer o Windows 8.x de graça? Não é tão fácil assim.
Oferecer o OS X de graça não é traumático para a Apple porque ela não é uma empresa que depende de vender software. Ela ganha alguns milhões com isso, claro, porém há muito mais dinheiro em jogo na venda de hardware – iPhones, iPads e Macs.
 
Na Microsoft, por sua vez, o Windows ainda rende muito dinheiro. Sim, outros produtos se tornam ainda mais importantes: nos tempos do Vista, 47% da receita vinham do sistema operacional; no ano passado, só 25%, segundo a Wired. Mas como a Microsoft deixaria de cobrar por um produto que lhe rendeu US$ 19 bilhões só no ano passado?
 
É por esse e outros motivos que a Microsoft quer se reposicionar como uma empresa de dispositivos e serviços. A Apple, por sua vez, já é uma empresa de dispositivos e serviços: o OS X é gratuito, mas não o MacBook; e há todo um ecossistema de serviços – iCloud, iTunes, e a própria App Store – para prender o usuário, e para ganhar dinheiro.
 
A Microsoft, se for esperta, pode fazer algo semelhante. Há algumas alternativas que ela pode explorar, mas a transição não seria fácil.
 
Windows de graça para alguns
 
Além dos empecilhos para a Microsoft que mencionamos antes, é preciso ter em mente que ela não atua sozinha no mercado: ela depende das parceiras de hardware. São as fabricantes que pagam por boa parte das licenças do Windows, e são elas que levam o OS ao mercado.
 
Por um lado, elas oferecem o Windows “de graça” aos usuários: o valor da licença está embutido no preço. O mesmo vale para o OS X nos Macs. Mas não é disso que estamos falando: não só o OS X é de graça, como todas as atualizações futuras também devem ser.
 
Por outro lado, os computadores da Apple são muito mais caros que PCs correspondentes. Mas pense: se você comprar um PC high-end e caro, talvez você precise pagar se quiser atualizá-lo para uma futura versão (Windows 9?).
 
Então por que não garantir aos PCs high-end uma atualização gratuita? Eles teriam direito a receber a próxima grande versão do Windows. A Microsoft poderia oferecer à fabricante uma licença especial do Windows, mais cara, que desse essa garantia de update – e ela seria inclusa em computadores mais caros. Claro, quem comprar um PC mais barato não iria gostar disso.
 
Windows de graça para todos
 
Ou talvez a Microsoft pudesse oferecer o Windows de graça, mas só para o usuário final. Ou seja, você poderia fazer o download de graça, ou comprá-lo na caixinha a preço de custo. No entanto, as fabricantes ainda teriam que pagar se quisessem colocá-lo em PCs novos. O que elas vão fazer, se rebelar e mudar para o Linux? (O Ubuntu ainda tem participação pequena; o Chrome OS seria uma ameaça apenas no low-end.)
 
Isso iria contra o que a Microsoft faz há anos: acredita-se que ela cobra caro pelo Windows na caixinha para não desestimular a venda de PCs novos. (“Para que trocar de PC, quando eu posso só atualizar e deixar o meu como novo?”) Mas seria essa uma atitude correta na era pós-PC? As vendas de computador já estão baixas. Elas realmente cairiam mais se os usuários pudessem atualizar o Windows sem pagar por isso?
 
Os clientes corporativos também pagariam por uma licença do Windows, já que ele continua valioso em empresas. Além do mais, a divisão de Servidores e produtos voltados para clientes empresariais – como o Azure – estão se tornando mais importantes para a Microsoft. Dessa forma, ela poderia oferecer o Windows aos consumidores comuns de graça, enquanto lucra das fabricantes e tambémdas empresas. (Nota: o OS X Mavericks Server ainda custa US$ 20.)
 
E ao fazer isso, a Microsoft expandiria a base de usuários e poderia lucrar com os apps, o que ela já faz na Windows Store: 30% da receita vão para ela (ou 20%, dependendo do caso). Isso também vale para os serviços integrados ao sistema, como Xbox Music e Skype. Obviamente, não é tão fácil assim: por exemplo, usuários do OS X estão acostumados a pagar por apps; no Windows, é bom que haja uma versão gratuita.
 
Mesmo assim, o potencial é grande, e os números oficiais dão uma boa perspectiva. A Microsoft disse em maio que vendeu 100 milhões de licenças do Windows 8. Até meados do ano passado, a base de usuários do OS X era de 66 milhões. Mais usuários = mais compras de apps = mais $$$. Talvez.
 
É assim que a Microsoft pode se tornar uma empresa de serviços. E quanto aos dispositivos? É uma aposta mais complicada. Ela tem o Surface; caso ela se dedique pesadamente a ele, talvez provoque as parceiras de hardware. Só que a Microsoft precisa do apoio delas para fazer o Windows vingar. Por isso não dá para liberar o Windows de graça e contar com a venda de Surfaces – alguém tem que pagar para o OS ser feito.
 
Windows pago (por enquanto)
 
As sugestões acima podem soar plausíveis ou malucas, dependendo de quem vê. Mas para a Microsoft, elas podem ser desnecessárias – pelo menos por enquanto. Afinal, cobrando pelo Windows ela vendeu 100 milhões de licenças. Claro, isso deve incluir as atualizações a preço baixo, mas por que oferecer de graça se os clientes estão pagando?
 
O Windows ainda sofre na batalha pela era pós-PC, mas para vencê-la, talvez ser gratuito não resolva a situação. Sim, a Microsoft aparentemente deu desconto no pacote Windows + Office para fabricantes de tablets pequenos (8 polegadas), mas ela ainda recebe dinheiro com isso.
 
“Em time que está ganhando não se mexe”, diz o ditado. O Windows não está ganhando, mas ainda não perdeu.
E o Office?
 
Ontem, a Apple também anunciou que vai oferecer o pacote iWork de graça para quem comprou um Mac a partir de 1º de outubro. Pages, Numbers e Keynote antes custavam US$ 10 cada. (O Microsoft Office custa a partir de R$ 239, e também está disponível por assinatura.)
 
Isto não representa, por si só, uma ameaça para o Office: afinal, esses apps já eram baratos e a suíte da Microsoft ainda domina boa parte do mercado. Mas eles reforçam a estratégia da Apple de oferecer um ecossistema completo aos usuários.
 
O Windows Phone já vem com Office; tablets com Windows RT também. Por que não embuti-lo em PCs novos a um preço mais camarada para as fabricantes? (Ela já faz isso para tablets de 8″.) Oferecê-lo de graça para todos os consumidores seria loucura – nem a Apple fez isso com o iWork – mas seria uma boa forma de estimular a venda de computadores novos se o Windows fosse gratuito.
 
Cada vez faz menos sentido pagar por um sistema operacional. (Os piratas que o digam!) A Apple acabou de tirar mais uma justificativa para isso. Resta ver o que a Microsoft fará.

Leave a comment

Filed under Innovation, Technology

[TV Series] Quais séries de TV assisto e o por que as assisto

Atualmente estou assistindo as seguintes séries de TV:

– Big Bang Theory
– HIMYM (How I met your mother)
– Suits
– White Collar
– Running Man (coreano)
– Lie to Me (essa série foi interrompida)

Eis os motivos pelos quais os assisto:

– Big Bang Theory – fala sobre amizade e as igualdades e diferenças entre as pessoas, além de abordar temas interessantes que me fazem correr atrás e buscar me aprofundar em alguns desses temas;
– HIMYM – também fala de amizade trazendo uma visão da mesma coisa, mas em diferentes perspectivas. Me faz pensar nas diferentes visões que outras pessoas podem ter da mesma coisa e o quanto algumas coisas consideradas “insignificantes” podem ser importantes para outros;
– Suits – mostra que, mesmo parecendo que não existe saída para uma situação difícil, no fim tudo dá certo de alguma forma;
– White Collar – apresenta uma série de soluções criativas para os mais diversos problemas. Me faz pensar em estratégias e novas formas de conseguir aquilo que preciso e dá ânimo nos momentos mais difíceis;
– Running Man – show de entretenimento super criativo, ideal para quem precisa de novas ideias para recreação de um grupo de pessoas;
– Lie to Me – me faz reparar em coisas que normalmente passariam despercebidas. Aplica ciência de verdade com ficção

Leave a comment

Filed under Entertainment

[Palestra] MBA IE – Educação

Fui em mais uma palestra do MBA da IE com o Ph.D Newton Campos, como o mesmo é brasileiro, a palestra dessa vez foi em português mesmo…

Com o tema Designing the Future of Distance Learning foram abordados principalmente os temas Educação e Empreendedorismo. Foi realizado também um pequeno workshop onde, divididos em grupos, cada um deveria propor a criação de um curso à distância.

Foram abordados também os seguintes pontos:
– MOOC (ex. Kahn Academy)
– Peer to peer (ex. aulas particulares pela internet)
– Flipped Classroom
– Modular Integrated (ex. Macat)
– Gamification (ex. Busuu)
– Mobile Learning
– Biometries (ex. Smowl)

O MOOC e o peer to peer são bem conhecidos, assim como o conceito de Gamification (utilizar-se de elementos presente em games em um contexto de não jogo). O que achei bem interessante foi o conceito de Flipped Classroom (foi apresentado um vídeo do professor Aaron Sams aplicando esse modelo em um colégio americano) onde o conteúdo didático é disponibilizado pela internet, dessa forma os alunos aprendem “sozinhos” o que normalmente fazem em sala de aula e tiram dúvidas e fazem as tarefas em aula, o que normalmente fariam em suas casas.

Achei interessante também o conceito de Modular Integrated. Não é um conceito novo, porém a sua aplicação pelo site Macat foi interessantíssimo. Ele fornece um resumo dos principais livros realizados por especialistas sobre o assunto!

Já em relação a Biometria, apenas foi abordado formas de garantir que o usuário do EAD (ensino a distância) seja realmente a pessoa que deveria realizar o curso. O site Smowl garante isso através de uma foto que é tirada pela webcam e comparada com uma central de usuário para realizar essa autenticação.

Leave a comment

Filed under Education, Technology